Existe algo pior, numa viagem, do que ser mandado de volta para casa ao chegar num país sem nem mesmo ter saído do aeroporto? Saiba que isso pode acontecer com visitantes desavisados em países ou cidades que exigem algum tipo de vacinação prévia. Por isso, se ligar no que diz respeito a vacinas para viajar pode salvar a sua viagem.

Vacinação para viajar

É importante a atualização das vacinas de acordo com os calendários de vacinação do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde. Os postos da rede pública oferecem vacinas eficazes e gratuitas.

  • No momento do registro da vacinação no Cartão Nacional de Vacinação, fique atento. É preciso que sejam anotados o lote da vacina, a data de vacinação e o local onde você foi atendido.
  • Vale lembrar que as vacinas têm um período, que pode variar entre 10 dias e seis semanas, para atingir a proteção esperada. No caso da vacinação contra febre amarela, o não cumprimento do prazo de proteção pode impedir sua entrada em alguns países. Por isso, vacine-se com antecedência.

Por que alguns países exigem vacinação?

Diferentemente do que muitos pensam, a maioria dos países que exige vacinação o fazem para precaver que visitantes tragam doenças, e não pelo território apresentar riscos de contaminação. E o Brasil, sob o olhar estrangeiro, não é a mais salubre das nações.

Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia

Desde janeiro de 2019, temos duas formas de solicitar Certificado Internacional de Vacinação: presencialmente ou online.

Solicitação presencial do Certificado Internacional de Vacinação

  1. Vacine-se e guarde o certificado de vacinação.
  2. Busque o Centro de Orientação ao Viajante da Anvisa mais próximo a você. Para agilizar o seu atendimento, entre no site da Anvisa e realize um pré-cadastro.
  3. Agora basta levar seu comprovante de vacinação e seu documento de identidade no Centro de Orientação ao Viajante da Anvisa escolhido e emitir o seu certificado.

Em alguns postos, é possível fazer a vacinação e o certificado no mesmo lugar. Basta conferir na lista de Centros de Orientação ao Viajante da Anvisa: os centros de gestão privada (identificados como PRIVADO ou SMS) emitem o certificado para viajantes vacinados no próprio local; os Centros da ANVISA apenas emitem o certificado, mas não realizam a vacinação.

Solicitação online do Certificado Internacional de Vacinação

  1. Vacine-se e guarde o certificado de vacinação.
  2. Cadastre-se no Portal de Serviços, usando seu número de CPF e email.
  3. Preencha um formulário do site e encaminhe uma foto ou um arquivo digitalizado do RG e do comprovante nacional de vacinação (o comprovante que você recebeu após a vacinação).
  4. Seu processo será analisado pela Anvisa, e, se aprovado, você recebe um email, em até cinco dias úteis, com o certificado internacional.
  5. Pronto! Imprima o cartão e assine no local indicado.

É necessário refazer o certificado internacional no qual ainda consta data de vencimento?

Desde 11 de julho de 2016 a vacina contra a febre amarela é válida para a vida toda, até mesmo para quem se vacinou antes desta data. Segundo as normas da OMS, se você tem o Certificado Internacional de Vacinação antigo (aquele amarelo), não é necessário atualizá-lo.

Para informações detalhadas clique no botão abaixo:

Quais vacinas são obrigatórias?

A única vacina que, em escala mundial, é obrigatória é a da Febre Amarela, uma doença infecciosa grave e transmitida pelo mosquito Aedes aegypti (o mesmo da dengue). É mais comum em países da América do Sul e Central, assim como em algumas regiões da África.

Por não haver cura, a prevenção da Febre Amarela é de extrema importância quando em áreas de risco: além da vacinação, deve-se usar repelentes e telas e não acumular água parada.

Durante a viagem

Em caso de adoecimento durante a sua viagem, busque atendimento médico e evite a automedicação.

Se você sentir alteração em seu estado de saúde durante a viagem, dentro da embarcação ou aeronave, comunique o fato à equipe de bordo. Eles tomarão as devidas providências e alertarão os serviços de saúde do local para onde você está se deslocando.

Quais as vacinas recomendadas para viagem

Certas vacinas são recomendadas quando se visita alguns países ou regiões, principalmente zonas rurais, florestas e todos os lugares de grande contato com a natureza. Dessa forma, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) recomenda que o viajante tenha sempre em dia as vacinas para:

  • Febre amarela
  • Tétano
  • Difteria
  • Hepatites A e B
  • Tríplice Viral (que protege contra Sarampo, Caxumba e da Rubéola)
  • Antirrábica (protege contra a raiva eventualmente transmitida em mordida de cachorros, ratos e morcegos. Pode ser útil).

Quais países e locais exigem ou recomendam vacinação?

Centenas de países exigem vacinação e ocasionais surtos alteram as regras constantemente, mas você pode consultar direto nas seguintes páginas:

  • Clique no botão abaixo para ter acesso à página do sistema de emissão da Carteira Internacional de Vacinação, onde é possível pesquisar as exigências de cada país. Basta clicar na aba “Exigências de Viagem” e selecionar o país para o qual você pretende viajar.
  • No botão abaixo você terá acesso à lista disponibilizada anualmente pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Já, internamente, no Brasil, recomenda-se a vacina da febre amarela para áreas de matas e rios na região Norte e Nordeste devido ao clima.

Mais recentemente, em razão de surtos localizados em zonas rurais dos estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais e São Paulo, a vacina tem sido recomendada para o interior da região Sudeste.

Onde se vacinar?

As vacinas, de modo geral, podem ser aplicadas em postos de vacinação ou em clínicas particulares. A vacina contra a Febre Amarela, gratuita, é tomada numa dose única e dura a vida toda.

Quanto tempo antes da viagem é recomendado se vacinar?

As regras mudam para cada país, mas a recomendação da Anvisa é que qualquer vacinação seja realizada preferencialmente de seis a oito semanas antes da viagem e, no máximo, 4 semanas antes.

Atente também para o período de imunização! No caso da febre amarela, o período de imunização é de 10 diasapós a vacinação, ou seja, você deve tomar a vacina, no mínimo, 10 dias antes da sua viagem.

E se a sua viagem for para o exterior, não esqueça de fazer o Certificado Internacional de Vacinação da Anvisa. O comprovante simples de vacinação ou a Carteira Nacional de Vacinação não são válidos fora do território nacional.

Respeite esse prazo de imunização e a certificação internacional: as cias aéreas podem negar o embarque ou desembarque de passageiros que não cumpram os requisitos da vacinação.

Doenças transmitidas por água ou alimentos

Um problema comum em viagens é a diarreia causada pela ingestão de alimentos ou água contaminados. Esteja sempre atento à segurança e à qualidade daquilo que você ingere ou oferece às crianças.Observe as medidas básicas de higiene e as seguintes recomendações:

  • Lave as mãos com água e sabão ou solução anti-séptica frequentemente, principalmente antes de ingerir alimentos e após utilizar sanitários ou conduções públicas, visitar mercados ou locais com grande fluxo de pessoas;
  • Beba água tratada acondicionada em embalagens lacradas ou de fonte segura. Se isso não for possível, trate a água disponível com Hipoclorito de Sódio a 2,5%, colocando 2 gotas em 1 litro de água e aguardando 30 minutos antes de consumir; Evite adicionar gelo de procedência desconhecida às bebidas;
  • Assegure-se de que todo alimento esteja bem cozido, frito ou assado; Os alimentos perecíveis devem ser mantidos em baixa temperatura (abaixo de 5° C) ou bem aquecidos (acima 60 °C);
  • Evite o consumo de frutos do mar crus, leite e seus derivados crus, preparações culinárias que contenham ovos crus, frutas e verduras descascadas ou com a casca danificada: a casca protege esses alimentos de contaminação; Quando for consumir alimentos exóticos, seja prudente e não exagere;
  • Evite o consumo de alimentos vendidos por ambulantes;
  • Alimentos embalados devem conter no rótulo a identificação do produtor e data de validade, e a embalagem deve estar íntegra.

Doenças transmitidas por mosquitos e carrapatos

Esse tipo de doença está, geralmente, associada ao ecoturismo e ao turismo rural, mas podem ocorrer também em áreas urbanas.

  • Utilize roupas que protejam contra picadas de insetos como camisas de mangas compridas, calças e sapatos fechados, impregnadas com Permetrina;
  • Aplique repelente à base de DEET (dietilmetatoluamida) ou Picaridina nas áreas expostas da pele, de acordo com as recomendações da rotulagem. É preciso lembrar que o uso de DEET é contraindicado para menores de 2 anos. Já para crianças acima dessa idade e com até 12 anos, o repelente à base de DEET deve ter concentração máxima de 10%. Lembre-se de que o produto deverá ser reaplicado caso a pessoa se molhe ou transpire excessivamente. O repelente deve ser aplicado depois do protetor solar;
  • Dê preferência a locais de hospedagem que possuam ar-condicionado e utilizem telas de proteção nas janelas ou mosquiteiro sobre a cama;
  • Ao se dirigir a áreas com elevada transmissão de malária e em que você vá se encontrar em situações de maior risco, como dormir em locais sem proteção para a picada de mosquitos ou só ter acesso a serviço de saúde a mais de 24 horas de distância, procure seu médico para avaliar a indicação de quimioprofilaxia;

Doenças transmitidas por outros animais

Algumas espécies de aves e mamíferos também podem transmitir doenças infectocontagiosas, inclusive no meio urbano. Portanto:

  • Evite contato próximo com aves vivas ou abatidas;
  • Caso sofra agressão por mamíferos domésticos ou silvestres, lave imediatamente a área com água e sabão e procure atendimento médico.

Doenças respiratórias

  • As doenças respiratórias mais comuns são as gripes e os resfriados. Alimentar-se bem, adotar hábitos saudáveis e higiênicos e evitar o estresse são as formas mais eficazes de prevenção.

Outras medidas para evitar doenças respiratórias, entre elas o Coronavírus, são:

  • Lavar regularmente as mãos
  • Cobrir boca e nariz ao tossir e espirrar
  • Evitar aglomerações e ambientes fechados
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas
  • Se apresentar sintomas como febre, tosse ou dificuldade de respirar , procure o serviço de saúde mais próximo 

Recomendações gerais

  • Utilize preservativo nas relações sexuais, pois essa é a forma mais segura de se proteger da AIDS e de outras doenças sexualmente transmissíveis;
  • Evite exposição excessiva ao sol. Use protetor solar no mínimo 30 minutos antes da exposição (FPS 30), reaplicando conforme orientação do fabricante. Utilize também óculos de sol e chapéu de aba larga;
  • Em caso de adoecimento durante a sua estadia, busque atendimento médico e evite a automedicação.

Ao retornar ao seu país de origem

Após o retorno da viagem, caso apresente febre ou outros sintomas como diarreia, problemas de pele ou respiratórios, procure imediatamente um serviço de saúde e informe quais as regiões que visitou.

Ainda ficou com dúvidas? Me mande uma mensagem:

Este site utiliza Cookies e Tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência. Ao utilizar nosso site você concorda que está de acordo com a nossa Política de Privacidade.

×